Jean Jullien para Vöslauer

Jean Jullien for Vöslauer | design

Jean Jullien for Vöslauer | packaging & design

O artista gráfico francês Jean Jullien está sempre envolvido em projetos bacanas e incomuns: dessa vez ele criou uma série de rótulos divertidos para a edição de verão das garrafas de água mineral (de vidro!) da austríaca Vöslauer. Amei! 

Mais Jean Jullien aqui e aqui! :)

∴ info ∴
Jean Jullien website & instagram.
Vöslauer website & instagram.

|

Arte & Ilustração com Weronika Anna Marianna

Weronika Anna Marianna | Arte e Ilustração

O trabalho lindo da multitalentosa Weronika Anna Marianna, que além de ilustradora também é arquiteta, designer gráfica e visual e co-criadora da badass-girl-magazine Szajn. You go girl👊

∴ info ∴
Weronika Anna Marianna website & instagram.

|

Roma, Itália | por Thomas Hoepker

Rome, Italy by Thomas Hoepker, 1984 | © Magnum Photos

O olhar do fotógrafo alemão Thomas Hoepker sobre Roma, na Itália, em 1984. Uma verdadeira aula sobre como captar climas e personalidades. Maravilhoso. ✨

Vocês conhecem Roma?

∴ info ∴
Thomas Hoepker via Magnum Photos.
Thomas Hoepker instagram.
Magnum Photos instagram.

|

Little Folk Shoes

Little Folk Shoes | Branding by Design by Diamond

Gracinha demais os sapatos artesanais com inspiração vintage para os pequenos da Little Folk Shoes. Também curti o branding elegante e descomplicado da Design by Diamond (amei a inserção da agulhinha na marca!).

∴ info ∴
Little Folk Shoes website & instagram.
Design by Diamond website & instagram.

|

Os quatro últimos… livros

Mini-resenhas dos livros: A Política Sexual da Carne e As Veias Abertas da América Latina | Não Me Mande Flores

1. A Política Sexual da Carne, por Carol J. Adams – tradução de Cristina Cupertino
384 páginas • título original: The sexual politics of meat • Alaúde

Citado pelo New York Times como “a Bíblia da comunidade vegana“, o livro estabelece uma conexão entre o feminismo e o vegetarianismo, criando uma estreita ligação entre a dominância masculina (a cultura de violência e objetificação da mulher) e o ato de comer carne. Entre muitos outros assuntos, a autora fala sobre o mito e a presunção de que os homens precisam de carne (e têm direito a ela) para continuar saudáveis; sobre o consumo de carne como atividade masculina associada à virilidade e sobre o processo cruel de ver o outro (o animal, a mulher) como algo consumível. A Carol resume super bem todo o conteúdo do livro nessa entrevista (assistam, é maravilhosa!), mas se eu tivesse que sintetizar a ideia geral da teoria, eu diria que ela é sobre não polarizar o sofrimento humano e animal, uma vez que eles se inter-relacionam. Uma crítica leve: achei algumas partes do livro um pouco repetitivas, mas nada que tirasse a relevância e o prazer da leitura. Para veganos, vegetarianos e TODOS que possuem uma mente aberta a respeito do assunto.

 Compre esse livro!

2. As Veias Abertas da América Latina, por Eduardo Galeano – tradução de Sergio Faraco
392 páginas • título original: Las venas abiertas de América Latina • L&PM Editores

Um crime: ser latino americano e nunca ter lido As Veias Abertas da América Latina. O livro é um estudo (e uma espécie de inventário) da exploração, submissão e subsequente dependência que a América Latina tem sido vítima desde que aqui aportaram os primeiros europeus no final do século XV. Escrito no início da década de 70 (Galeano tinha então 31 anos), o texto impressiona pela relevância histórica e pela atualidade do discurso. Esse cenário comandado pelo capitalismo exploratório é duro, mas Galeano sabe ser ao mesmo tempo crítico e poético. O (con)texto é revoltante, mas a leitura é agradável. O livro é muito associado à literatura de extrema esquerda e o próprio autor disse, antes de morrer, que não teria condições de reler a obra. “Para mim, essa prosa da esquerda tradicional é chatíssima. Meu físico não aguentaria. Seria internado no pronto-socorro“. Galeano afirmou que não se arrependia de ter escrito, mas que o Veias Abertas tentou ser um livro de economia política, numa época em que ele não tinha a formação necessária para escrevê-lo. Ideologias às parte, recomendo demais o ensaio para qualquer pessoa que se interesse pela (contra)história econômica e política da América Latina. Um clássico. 

Compre esse livro!

Mini-resenhas dos livros: Suzy e as águas-vivas e Quando eu parti | Não Me Mande Flores

3. Suzy e as águas-vivas, por Ali Benjamin – tradução de Cecília Camargo Bartalotti
224 páginas • título original: The thing about jellyfish • Verus Editora

Sensibilizada pela perda da ex-melhor amiga, Suzy se convence de que pode explicar o motivo de sua morte por afogamento: a ferroada de uma água-viva. Ela cria um plano ousado para provar a verdade, que envolve uma viagem para o outro lado do mundo, sozinha. O livro, todo narrado em primeira pessoa pela personagem principal, de 12 anos, comove não tanto pela investigação do tema da morte, mas pela descrição minuciosa da dura ruptura da amizade entre as meninas. Uma visão bem realista dos altos e baixos da pré-adolescência, com desdobramentos de cortar o coração. Um livro juvenil com potencial para agradar leitores de todas as idades.

 Compre esse livro!

4. Quando eu parti, por Gayle Forman – tradução de Ryta Vinagre
308 páginas • título original: Leave me • Record

Maribeth é a típica mulher-moderna-ultra-atarefada: profissional competente, dona de casa, mãe de gêmeos superativos… Os seus dias são tão atarefados e corridos que ela nem percebe o ataque cardíaco. Duas pontes de safena depois, exausta e com pouquíssima ajuda da família, ela decide arrumar as malas e partir. Longe de tudo (e com a conveniente ajuda de novos amigos), ela começa a enfrentar o seu próprio passado e descobrir quem realmente é. Esse é o primeiro livro adulto da Gayle Forman, mas que possui, de certa forma, muitos elementos do universo do YA. Em especial (e a minha grande crítica ao gênero) a habilidade de resolver magicamente todos os conflitos do livro, dando uma espécie de final feliz genérico para todos os personagens. A minha impressão é que faltam muitas (MUITAS!) camadas de complexidade, especialmente por se tratar de um tema tão controverso e tão pesado.

Compre esse livro!

O que vocês têm lido de bom ultimamente?
Confira outros títulos na Bibliolove – a biblioteca virtual do blog!

|