Casinhas de sonho da Nastia Sleptsova

Broches de casinha da Nastia Sleptsova | little house brooch 'light olive house'
Broches de casinha da Nastia Sleptsova | little house brooch 'pastel yellow'
Broches de casinha da Nastia Sleptsova | little house brooch 'light family house'
Broches de casinha da Nastia Sleptsova | little house brooch 'red swedish house'
Broches de casinha da Nastia Sleptsova | little house brooch 'red roof house'

Não sei explicar o aconchego que eu sinto quando vejo esses broches de casinhas da ilustradora ucraniana (talentosíssima!) Nastia Sleptsova. Só de saber que eles existem, já fico com o coração mais quentinho. Quanta delicadeza.

∴ info ∴
Nastia Sleptsova Etsy shop & instagram.

|

Oui | Clare V.

Clare V. Oui Graphic Sweatshirt | Anthropologie
Clare V. Oui Graphic Sweatshirt | Anthropologie

Um belo incentivo para dizer sempre sim para as coisas boas da vida.
Um doce esse moletom da Clare V. (Oui ou non?).

∴ info ∴
Clare V. website & instagram.
Clare V. Oui Graphic Sweatshirt via Anthropologie.

|

Uma saudade: a praia

Beach, by Beatrice Cerocchi | Ilustração, Praia

Eu sou dessas que de-tes-ta praia abarrotada de gente, mas depois de tantos meses de isolamento social, bateu até saudade de uma praia lotada. Amando essa e outras aglomerações da arquiteta e ilustradora Beatrice Cerocchi.

∴ info ∴
Beatrice Cerocchi website & instagram.

|

Artisan Homeware | Our Lovely Goods

Artisan Homeware by Our Lovely Goods | Rectangular Raffia Basket
Artisan Homeware by Our Lovely Goods | Raffia Bowl
Artisan Homeware by Our Lovely Goods | Round Raffia Baskets
Artisan Homeware by Our Lovely Goods | Hanging Raffia Bowls
Artisan Homeware by Our Lovely Goods | Handwoven Raffia Place Mats
Artisan Homeware by Our Lovely Goods | Raffia Basket Bag

Ainda nesse clima de menos plástico, mais produtos naturais ~ me deparei com essa coleção linda da Our Lovely Goods, com produtos feitos de ráfia por artesãos de Abuja, na Nigéria. A ráfia é a fibra têxtil de palmeiras, bem comum em terras brasileiras também (não confundir com o composto sintético de polipropileno que imita a fibra da ráfia), ou seja, não é muito difícil encontrar produtos semelhantes por aqui. Sigo inspirada por essas lindezas!

∴ info ∴
Our Lovely Goods website & instagram.

|

Os quatro últimos… livros

Mini-resenha dos livros: Garota, Mulher, Outras (Bernardine Evaristo) e Ressurreição (Liev Tolstói) | Não Me Mande Flores

1. Garota, Mulher, Outras, por Bernardine Evaristo – tradução de Camila Holdefer
496 páginas • título original: Girl, Woman, OtherCompanhia das Letras

A ideia central do romance, um dos mais comentados e aclamados de 2019, não me pareceu muito promissora/inovadora à princípio. 12 capítulos, cada um deles narrado por uma mulher diferente, com histórias que se conectam e se completam. A premissa me deixou sim um pouco cética, mas… que romance incrível! Um dos principais méritos da narrativa é a facilidade com que Evaristo salta de personagem em personagem, criando uma voz única e autêntica para cada uma delas. As histórias são interligadas de forma tão elegante, que recuperaram a minha esperança no estilo. Amma é a personagem central, uma dramaturga lésbica negra, cuja nova peça está sendo produzida no National Theatre em Londres ~ e é a partir da sua narrativa que o romance decola. São 12 mulheres cujas vidas se sobrepõem, mas cujas histórias não poderiam ser mais distintas. Evaristo é a primeira mulher negra a ganhar o Booker Prize (ela compartilhou o prêmio em 2019 com “Os Testamentos” de Margaret Atwood, a sequência de “O Conto da Aia”). Recomendo demais, especialmente se os temas identidade, privilégio, feminismo e experiência feminina negra estão no seu radar de interesse.

Compre esse livro!

2. Ressurreição, por Liev Tolstói – tradução de Rubens Figueiredo
448 páginas • título original: ВоскресениеCompanhia das Letras

A vida do príncipe Nekhliúdov, um nobre e abastado proprietário de terras, muda drasticamente quando ele se depara com Máslova no banco de réus de um julgamento do qual participa como membro do júri. A prostituta acusada de roubar e assassinar um cliente é, na verdade, uma antiga serva, enganada e abandonada por ele no passado. O choque do reencontro e a injustiça da sentença desencadeiam uma crise de consciência no príncipe, que passa a revisitar e questionar todas as suas decisões até agora. Mais do que isso, o príncipe começa a entrar em conflito com o seu estilo de vida burguês e a rejeitar os seus pares e os seus privilégios. Último romance de Tolstói, escrito quando ele tinha setenta anos, como parte de uma campanha em defesa dos dukhobóri, uma seita/comunidade de cristãos que negava a propriedade, o governo, o Estado (eles se negavam a jurar lealdade ao Tsar), o dinheiro e a Igreja. Seu estilo de vida pacifista e igualitário atraía o autor, que negociou os direitos autorais do livro para enviá-los ao Canadá ~ e aproveitou para inserir no romance muitos dos temas que os uniam (além de traços autobiográficos, como o romance com uma criada e a sua inclinação a desfazer-se de bens materiais). Ressurreição tem uma certa fama de ser um livro “religioso”, o que me espanta, já que a sua crítica da sociedade como um todo é MUITO mais forte do que qualquer teor moralista ou evangélico. O romance é um ataque duro e nítido aos sistemas judiciários e prisional ~ e Nekhliúdov chega à conclusão que muitos de nós também chegamos, mais cedo ou mais tarde: o que é a justiça, senão a manutenção dos interesses de uma classe? Maravilhoso.

Compre esse livro!

Mini-resenha dos livros: Queer (William S. Burroughs) e Terra Estranha (James Baldwin) | Não Me Mande Flores

3. Queer, por William S. Burroughs – tradução de Christian Schwartz
144 páginas • Companhia das Letras

Cidade do México, início dos anos 50. Lee (o alter ego de Burroughs) já é praticamente um local no submundo da marginalidade mexicana, onde perambula de bar em bar à procura de companhia ~ e onde tenta superar uma abstinência de drogas à base de muito álcool. Depois de rejeitar uma série de candidatos que considera inadequados, Lee volta a sua atenção para Allerton, um jovem de traços simples e infantis, de comportamento evasivo e quase sempre desinteressado, por quem ele acaba se apaixonando. O esforço de Lee para se fazer querido e admirado por Allerton é desolador. Chega a doer quando a gente percebe que as suas performances chocantes, seus monólogos absurdos e bem humorados não surtem nenhum efeito ~ ou surtem o efeito contrário: Allerton parece cada vez mais indiferente a ele, irritadiço e frio. A viagem dos dois para o Equador em busca da ayahuasca, ao invés de ajudar, só aumenta a necessidade de Lee por contato e exacerba suas inseguranças. Definitivamente um triste relato sobre um amor não correspondido. O livro, que faz parte da trilogia que começa com Junky e termina com Almoço Nu, foi escrito em 1952, mas só foi publicado em 1985 devido, em parte, à sua temática homossexual e, em parte, à recusa do autor em revisitar lembranças extremamente dolorosas, desagradáveis e dilacerantes. Burroughs revelou (na introdução à primeira edição) que o livro foi motivado pelo tiro acidental que causou a morte de sua esposa em 1951.

Compre esse livro!

4. Terra Estranha, por James Baldwin – tradução de Rogério W. Galindo
544 páginas • título original: Another countryCompanhia das Letras

Se as primeiras páginas de Terra Estranha não te transportarem para a Nova York dos anos 50 ~ e se a narrativa ágil, envolvente e minuciosa do James Baldwin não te arrebatar logo de cara ~ você tem uma pedra no lugar do coração. Que romance! A história central se desenvolve a partir do relacionamento de Rufus Scott e Leona, um baterista negro, nascido e criado no Harlem e uma garçonete branca e sulista, recém-chegada na cidade. A relação entre os dois é violenta, triste, fadada ao fracasso. Os demais personagens são igualmente importantes e belissimamente construídos: Ida Scott, a irmã cantora, o melhor amigo Vivaldo Moore, irlandês branco e aspirante a escritor, Richard e Cass Silenski, o casal heterossexual em crise. Seus encontros e confrontos acontecem de forma tão orgânica que a gente se sente parte desse universo racial e social. Não sei como o James Baldwin consegue, mas ele aborda tantos temas valiosos (sexualidade, racismo, sexismo, opressão, entre outros), de forma tão comovente e bonita… Um primor!

Compre esse livro!

Quais são seus planos de leitura para 2021?
Confira outros títulos na Bibliolove – a biblioteca virtual do blog!

|