Os quatro últimos… livros

Mini-resenhas dos livros: O deus das avencas e Ada ou Ardor | Não Me Mande Flores

1. O Deus das Avencas, por Daniel Galera
248 páginas • Companhia das Letras

Três novelinhas curtas do premiadíssimo Daniel Galera (vocês leram Barba Ensopada de Sangue?), mas nossa, como me tocaram! Na primeira história, que dá nome ao livro, a angústia de um casal à espera do nascimento do filho, às vésperas da traumática eleição de 2018. Foi impossível não me identificar com o pavor do desconhecido em ambas as frentes ~ eu estava grávida de 6 meses em outubro de 2018. Do passado recente, Galera pula para um futuro distópico em “Tóquio”, narrando a trajetória de um homem solitário em São Paulo, obrigado a lidar não só com as consequências de um desastre ambiental e tecnológico, mas também com o penoso legado deixado pela mãe. Daí, pulamos para uma realidade ainda mais pós-apocalíptica em “Bugônia”: a espécie humana está quase extinta devido a uma peste que assolou o planeta, mas uma pequena comunidade consegue encontrar o equilíbrio perfeito com a natureza e prosperar. Porém o seu segredo e a sua sobrevivência são ameaçados com a chegada de um estranho visitante. Não entrei em mais detalhes a respeito de cada história porque o ideal é ir descobrindo os pormenores aos poucos e se surpreender, como aconteceu comigo. O que eu posso dizer é que eu percebi nas três novelas um crescente de calamidades, um vislumbre do que pode vir a ser a nossa realidade caso não exista uma mudança de pensamento e de atitude, especialmente no que diz respeito às relações humanas e ao meio ambiente. Leiam.

Compre esse livro!

2. Ada ou Ardor, por Vladimir Nabokov – tradução de Jorio Dauster
608 páginas • título original: Ada or Ardor – A Family ChronicleAlfaguara

Sem dúvida a minha leitura mais demorada do ano passado ~ um mês que pareceu uma eternidade ~ simplesmente porque não consegui me conectar minimamente nem com os personagens, nem com a trama. O livro é vendido como uma história de amor pouco convencional, um romance de oito décadas entre dois primos, quando, na verdade, (ALERTA de spoiler!) se trata de um caso incestuosíssimo entre irmãos, altamente sexualizados desde bem novos: o protagonista Van Veen com 14 anos e a prima/irmã Ada com apenas 12 (e a irmãzinha mais nova também entra na história depois). Como se não bastasse esse contexto pesado (pra dizer o mínimo), os dois personagens são terrivelmente desinteressantes, autocentrados e irrealisticamente superdotados, o que tornou a leitura arrastada e penosa para mim. Eu sinceramente não fazia a menor questão de saber o que iria acontecer em seguida. Uma das provocações do livro, e que super me interessou quando eu li a premissa, é a fantasia histórica criada por Nabokov (a história se passa num mundo imaginário russo-franco-americano), mas essa ambientação curiosa não foi suficiente para me deixar menos furiosa com os protagonistas egóticos e com a enxurrada de referências (que, sinceramente, só consegui captar uns 30%, se tanto). O contrário da minha experiência com Lolita, que, apesar do tema similarmente pesado (e da análoga erotização de uma menina de 12 anos), possui uma narrativa brilhante, que sufoca e impressiona ao mesmo tempo. Dizem que Fogo Pálido (seu romance mais aclamado depois de Lolita) é incrível também ~ mas, depois de quase 600 páginas cansativas de Ada ou Ardor, preciso de uma pausa antes de encarar outro Nabokov. Ufa.

Compre esse livro!

Mini-resenhas dos livros: O Outono da Idade Média e Casta - As Origens de Nosso Mal-Estar | Não Me Mande Flores

3. O Outono da Idade Média, por Johan Huizinga – tradução de Francis Petra Janssen
696 páginas • título original: Herfsttij der MiddeleeuwenPenguin-Companhia

Um estudo minucioso e riquíssimo sobre as formas de vida e de pensamento da Idade Média na França e nos Países Baixos nos séculos XIV e XV. Huizinga optou por não usar uma abordagem que privilegiava questões econômicas e institucionais, como era de praxe na historiografia medieval, e sim por investigar as sensibilidades, os sonhos e as representações culturais da época (e, como consequência, foi muito criticado por uma suposta falta de rigor científico). O autor não se limita a definir esse período da história como uma Idade das Trevas. Pelo contrário, mostra que o desejo de ocultar uma realidade dura e cruel, vivendo uma rotina heróica e virtuosa (por meio do ideal da cavalaria e do fervor religioso) levou à uma regulação exagerada da vida social, com regras e jogos esvaziados de sentido. Muito esclarecedor. Originalmente publicado em 1919, o livro possui um certo rigor acadêmico que não chega a ser desanimador, mas que é certamente BEM diferente do tom mais leve e descontraído dos livros de história mais modernos. Não foi para mim uma leitura molezinha, mas valeu a pena insistir.

Compre esse livro!

4. Casta, por Isabel Wilkerson – tradução de Denise Bottmann e Carlos Alberto Medeiros
464 páginas • título original: Caste: The Origins of Our DiscontentsZahar

UAU, que livro impressionante e necessário. Wilkerson faz uma profunda investigação sobre o racismo, utilizando para isso o conceito do sistema de castas: uma construção artificial que estabelece a suposta supremacia de um grupo contra a suposta inferioridade de outros. Para isso, ela faz uma comparação entre a realidade americana, o sistema de castas indiano e a Alemanha nazista, mostrando que cada uma dessas versões de casta se baseou basicamente na estigmatização dos (supostos) inferiores como estratégia para desumanizar e manter na base as pessoas de classificação mais baixa. Em outras palavras, ela define a casta como uma poderosa infraestrutura que mantém cada grupo em seu lugar. Realmente fascinante. Dá para identificar muitos pontos em comum entre a realidade americana e a brasileira, o que torna a leitura ainda mais poderosa. Apesar do tema pedregoso, a autora termina o livro com uma perspectiva positiva e esperançosa ~ e gostei especialmente do que ela definiu como empatia radical, um mais do que necessário esforço para ouvir, aprender e entender a experiência alheia pela perspectiva dessa outra pessoa, e não apenas imaginar como nos sentiríamos na mesma situação.

Compre esse livro!

O que vocês têm lido de bom ultimamente?
Confira outros títulos na Bibliolove – a biblioteca virtual do blog!

|

Pride Mugs

Luke John Matthew Arnold Pride Mug
Luke John Matthew Arnold Pride Mug

Tem dias que tudo que a gente precisa de manhã é de uma caneca bem linda (de café fumegante, de preferência) para começar o dia. Essas belezinhas são da LukeJohnMatthewArnold.

Vocês têm uma caneca preferida? :)

∴ info ∴
LukeJohnMatthewArnold website & instagram.
via Antropologie.

|

Raduga Grëz | Toys as Art

Raduga Grëz | Toys as Art - Fruits
Raduga Grëz | Toys as Art - New Fruits
Raduga Grëz | Toys as Art - Vegetables
Raduga Grëz | Toys as Art - New Vegetables

Imagino que brincar de comidinha com as peças da Raduga Grëz é todo um OUTRO nível, não acham? A empresa é familiar, proveniente da Rússia, criada pelo casal Inna Prokhorova e Evgenii (ela desenha e o marido produz) e TUDO é feito à mão, com madeira maciça cultivada localmente. As tintas são à base de água (para manter o padrão natural da madeira) e cada lote é feito sob encomenda, para evitar desperdícios. Perfeição.

∴ info ∴
Raduga Grëz website & instagram.

|

O Livro Perdido

O Livro Perdido, por Margarita Surnaite | resenha do Não Me Mande Flores

Um coelho que vive rodeado pelos livros, mas que não consegue encontrar graça neles: essa é a premissa de O Livro Perdido, escrito e ilustrado pela autora lituana Margarita Surnaite e publicado por aqui pelo selo Milk Shakespeare da Faro Editorial.

O traço da Margarita é essa coisa linda que você pode perceber já pela capa ~ e foi isso que me conquistou mesmo antes de ver as ilustrações por dentro. O livro trabalha com textos super curtos, mas é repleto de belas imagens que complementam e ampliam o poder da narrativa. O formato bem grandão (25,5 x 24 cm) também ajuda a valorizar cada cena.

O coelhinho Lucas começa a história sem entender porque todos amam tanto os livros. Ele prefere videogames e outras brincadeiras ~ como tantas crianças que a gente conhece, certo? ;)

Até que ele encontra um livro perdido na rua. Quem será que o perdeu? Como ele veio parar aqui? Esse mistério desperta nele a vontade de encontrar o seu dono e, então, ele parte numa aventura pela sua cidade, onde encontra pouca (ou quase nenhuma) boa vontade dos moradores. As pessoas estavam tão distraídas, que não lhe deram atenção. Quando tudo parecia perdido… ele conhece uma menina que vai mudar tudo para melhor, inclusive a sua ideia a respeito dos livros!

O Livro Perdido, por Margarita Surnaite | resenha do Não Me Mande Flores

Um aspecto da história que eu achei BEM bacana é que o coelhinho Lucas recorre ao livro perdido somente quando se sente decepcionado e triste. Como ele não tem o costume da leitura, não lhe ocorre LER o livro que encontrou, ele só pensa em devolvê-lo para o devido dono. Porém, quando ele se sente invisível diante de todos, o livro funciona como uma espécie de distração, uma maneira de tirar a sua mente de um lugar ruim ~ e é justamente quando ele se entrega ao poder da narrativa, que a menina aparece.

Em outras palavras, O Livro Perdido fala sobre o poder das histórias e sua capacidade de unir as pessoas e mostra que o amor pelos livros pode surgir de muitas maneiras. Realmente adorável.

O Livro Perdido, por Margarita Surnaite | resenha do Não Me Mande Flores

O Livro Perdido, por Margarita SurnaiteBook Trailer
36 páginas • Faro Editorial (selo Milk Shakespeare)

Compre esse livro!

Confira outros títulos na Bibliolove – a biblioteca virtual do blog!

|

Pantufas for life

Colorblock Quilted Scuff Slippers in Recycled Faux Fur | Madewell
Two-Strap Scuff Slippers in Recycled Faux Fur | Madewell
Quilted Scuff Slippers in Recycled Faux Fur | Madewell
EMU Australia® Shearling Mayberry Tie-Dye Slippers | Madewell

Não sei quanto a vocês, mas eu já decidi qual vai ser o MEU tipo de calçado em 2022. #pantufasforlife (:

∴ info ∴
Via Madewell website & instagram.

|