Os Pretty Patches da Pretty Useful Co.

Bad Apple Patch | Pretty Useful Co.
Pizza My Heart Patch | Pretty Useful Co.
Send Noods Patch | Pretty Useful Co.

Patches* e comidinhas = ♥
Just take my money Pretty Useful Co.. ;)

*patches são emblemas (geralmente bordados com linha de poliéster) que podem ser costurados em roupas, bolsas etc.

∴ info ∴
Pretty Useful Co. loja (entrega no mundo todo) & instagram.

|

Patavina (e seus sete gatinhos faceiros)

É numa dessas casinhas coloridas e simpáticas que mora Patavina e seus sete gatos serelepes. Doceira de mão cheia, Patavina nomeou os seus bichanos com delícias de várias partes do mundo ~ e não é que os seus gatinhos têm um apetite especial para todo tipo de guloseimas?

Um livro muito doce (literalmente!), que combina duas coisas favoritas aqui em casa: animais e culinária. A faixa etária indicada é a partir dos 6 anos, mas o meu filho de 2 anos e meio abraçou a história (ele está numa fase felina) e entende/curte todo o seu desenvolvimento. Talvez o texto seja um tiquinho complexo para uma criança menor, mas eu acredito que a leitura (e o interesse pela leitura) é uma questão de hábito ~ e palavras “difíceis” numa história são ótimas oportunidades de ensinar/aprender situações novas.

Curiosos para saber os nomes dos gatinhos da Patavina (e seus países de origem)?

Crème Brûlée (França)
Pastel de Nata (Portugal)
Belewa Mustafá (países árabes)
Bolo de Chocolate (Brasil)
Sanshoku & Mochi (Japão)
Qumbe (países africanos) Tapioca

O mais divertido é que, além de terem nomes de doces, cada gatinho tem sua predileção por iguarias: de goiabada a gelatina, só gostosuras! Difícil não ficar com fome depois de ler, viu? Eu precisei pesquisar dois docinhos, que eu nunca tinha ouvido falar antes de ler no livro, o Qumbe e o Sanshoku (que tem até emoji gente! ??), e agora estou aqui salivando, querendo experimentar os dois.

No final do livro Patavina nos presenteia com uma de suas receitas, escrita de forma muito linda e lúdica: biscoitinhos de chocolate e aveia! Eu fiquei na dúvida se a receita daria certo ou não na vida real, mas achei uma ideia incrível de atividade para fazer com as crianças: ler o livro e depois partir para uma aventura na cozinha. Criança geralmente ADORA “ajudar” a fazer receitas ~ é trabalhoso e faz uma sujeira danada SEMPRE, mas vale a pena ver a carinha de satisfação deles conferindo (e comendo) o resultado final. :)

As ilustrações da Rosinha são o complemento perfeito para o texto meigo e melódico (a narrativa é ritmada) da autora Penélope Martins. Cada gatinho tem um jeito e traços particulares; os desenhos brincam lindamente com cores e formas. E o livro ainda tem uma brincadeira-bônus: encontrar o ratinho Cereja, escondido em todas as páginas (tem até uma festa de aniversário para ele no final!).

Patavina faz parte da Coleção Trupe-Trinques da Editora do Brasil.
Estamos curtindo muito o livro por aqui! \o/

Patavina, por Penélope Martins e ilustrado por Rosinha
32 páginas • Editora do Brasil

Compre esse livro!

Confira outros títulos na Bibliolove – a biblioteca virtual do blog!

|

Os retratos minimalistas de Otto Kim

Otto Kim minimalist portrait | Não Me Mande Flores
Otto Kim minimalist portrait | Não Me Mande Flores
Otto Kim minimalist portrait | Não Me Mande Flores
Otto Kim minimalist portrait | Não Me Mande Flores
Otto Kim minimalist portrait | Não Me Mande Flores

Os retratos do Otto Kim são tão singelos e misteriosos… A gente fica com vontade de descobrir quem são essas meninas/mulheres, não acham?

∴ info ∴
Otto Kim instagram.
via imagem de perfil do blog da Julie (descobri por lá e me encantei).

|

Naps – pijamas (de sonho) personalizados

Naps - Pijamas personalizados

Quem é do time ‘pijamas lindos’ levanta a mão! o/

Não sei se vocês compartilham desse meu capricho, mas eu nunca gostei de dormir com uma roupa qualquer. Sabe isso de dormir com uma camisa velha aleatória, um pijama rasgado… não rola para mim. Eu sempre gostei de estar confortável AND arrumada no final (e no começo) do dia. Estou sempre atrás de peças bacanas, mas um problema bem comum na procura pelo pijama perfeito é que a maioria dos modelos tem uma pegada BEM infantil: bichinhos fofos, babadinhos etc. Os modelos mais neutros acabam caindo na categoria “pijama de vovó” ou seguem a linha “sexy“, cheia de rendas e fendas, nada práticos para o dia a dia. Muito difícil encontrar um modelo de pijama adulto que faça os olhinhos brilharem.

Foi por isso que o meu encontro com a Naps foi amor à primeira vista. Pra começar, Naps é uma sigla para Necessary Adult Peace Session (Sessão de Paz Necessária para Adultos) ~ muito bom, né? Mas antes de descobrir isso eu já tinha ficado encantada com a proposta da marca, de ser slow fashion, com produção desacelerada e respeito ao tempo de confecção. Fora que os pijamas são realmente lindos. Olha só algumas das estampas que a gente pode escolher para chamar de nossa:

Naps - Pijamas personalizados | As Estampas

Fiquei encantada com essas estampas lindas e cheias de personalidade ~ e olha que eu sou BEM básica no quesito loungewear. Outra informação bacana é que a Naps tem uma parceria com o Sou de Algodão, um movimento incrível criado para despertar uma consciência coletiva em torno da moda e do consumo responsável. Mais um motivo para se apaixonar. Todos os pijamas da marca são 100% algodão, que eu considero o tecido perfeito para dormir ~ é leve e refrescante no verão, aconchegante e acolhedor no inverno nada rigoroso aqui do Rio.

Outra preocupação da marca é que cada peça tenha um caimento ideal, para permitir bastante movimento durante o sono. Eu me mexo muito durante a noite, então dormir com uma peça confortável (e nunca muito apertada) é essencial para mim. Nas versões femininas, por exemplo, o comprimento do pijama nas costas é um pouco maior do que na frente, ele é levemente acinturado e finalizado com uma barra arredondada. Isso significa que também podemos usar as peças no dia a dia – me diz se não dá vontade de sair com uma belezinha dessas na rua.

  • Naps - pijamas personalizados

Lindo semais, né? Eu nunca saí com uma peça de sleepware na rua, mas esse modelo ficou tão lindo com um jeans, que acho que eu me arriscaria sim. *-*

PERSONALIZAÇÃO

Se você já estava achando tudo belíssimo, espere só até eu te contar que os pijamas podem ser personalizados com um bordado! Dá para bordar iniciais, um nome ou qualquer outra coisa que a gente quiser, em cores, fontes e combinações lindas. Eu escolhi uma personalização mais clássica, com o meu nome, mas imagino que fique MUITO bacana bordar um apelido carinhoso, uma palavra especial ou algo parecido (especialmente se for presente, imagina que detalhe meigo). Se você escolher a opção com as iniciais, ainda dá para acrescentar um brasão super elegante ~ e tem várias opções.

Naps - Pijamas personalizados | detalhes

DETALHES & MINHA EXPERIÊNCIA

Os pijamas da Naps são fabricados sob pedido e têm um prazo de produção de 15 dias. O meu pedido chegou em exatamente duas semanas ~ e foi aquele tipo de encomenda que faz a gente se sentir especial quando chega, sabe? O pijama veio embalado numa sacolinha de algodão, personalizada com o logo da marca ~ e perfumado! Pequenas delicadezas que fazem toda a diferença.

O pijama é MUITO confortável. Nem muito apertado, nem muito largo, o tamanho perfeito para se movimentar à vontade (nem dá vontade de tirar de manhã, para falar a verdade). Um detalhe importante é que as laterais das peças recebem costura francesa, garantindo um acabamento e um conforto ainda maior. O cuidado com o bem-estar é tão grande, que as peças não possuem etiquetas e sim uma impressão em serigrafia (adeus etiquetas piniquentas!). Apaixonada.

O bolso bordado com o meu nome é um encanto. A gente sente que a peça foi feita com carinho e que é única. Eu percebi (só agora, escrevendo esse post) que a marca também faz máscaras personalizadas (com dupla camada 100% algodão), com a inicial de cada cliente bordada e eu achei a coisa mais linda do mundo. O meu pijama é o de inverno, com manga e calça compridas, mas estou gostando tanto de usar que já penso em encomendar a versão de verão (com manga curta e shortinho). \o/

E vocês, já conheciam a Naps?
Também gostam de dormir (e acordar) confortáveis e lindos? ;)

∴ info ∴
Naps website & instagram.
A Naps gentilmente me presenteou com um dos seus pijamas, no entanto, a minha opinião sobre ele é baseada na minha experiência e absolutamente independente da loja/marca.

|

Os quatro últimos… livros

Mini-resenhas dos livros: Recordações da Minha Inexistência e Três Irmãs | Não Me Mande Flores

1. Recordações da Minha Inexistência, por Rebecca Solnit – tradução de Isa Mara Lando
264 páginas • título original: Recollections of My Non-ExistenceCompanhia das Letras

Talvez você não esteja familiarizado com o nome Rebecca Solnit, mas ela certamente gravita pelo seu universo, principalmente se você defende e luta pela igualdade de gênero. A escritora e historiadora é mais conhecida pela sua faceta como ativista/feminista e escreveu o famoso ensaio “Os homens explicam tudo para mim“, que popularizou o termo mansplaining (e cujo nome derivou de uma experiência surreal da autora, quando um homem passou uma festa inteira falando de um livro que ela deveria ler, sem se dar conta que, na verdade, ela era a autora). Nesse breve livro de memórias Rebecca rememora as inúmeras vezes em que, mulher-jovem-independente, precisou lidar com o assédio, a violência e, especialmente, o descrédito atribuído às mulheres, tanto na vida cotidiana quanto nos círculos intelectuais. Ela não apenas relembra casos específicos (e, infelizmente, muito familiares para nós mulheres), mas discorre numa prosa poética brilhante como a nossa vida é constantemente (e deliberadamente) apagada, como somos privadas do nosso senso de liberdade, de igualdade e de autoconfiança. E, mesmo debruçando sobre um tema tão pesado, a autora ainda tem a sensibilidade de nos presentear com belas histórias de amizade e força. Um primor.

Compre esse livro!

2. Três Irmãs, por Jung Chang – tradução de Odorico Leal
392 páginas • título original: Big Sister, Little Sister, Red SisterCompanhia das Letras

Três Irmãs é um desses livros de não-ficção que seria difícil de engolir se a trama tivesse saído da cabeça de um(a) romancista. Imagine só: três irmãs, entre as primeiras mulheres chinesas a serem educadas nos Estados Unidos, cujas vidas e cuja influência impactaram diretamente os acontecimentos mais marcantes da China moderna. É realmente impressionante constatar o poder político que as irmãs alcançaram ao longo da vida, sempre ao lado de homens poderosos (não poderia ser diferente numa sociedade tão patriarcal), exercendo uma enorme, senão decisiva, influência sobre eles e, consequentemente, sobre a história do país. Ei-ling, a irmã mais velha, casou-se com o homem mais rico da China; Ching-ling, a irmã vermelha, foi companheira do pai fundador da China moderna e morreu como presidente honorária da China comunista; May-ling, a irmã mais nova, foi a primeira-dama da República da China. Filhas de um empresário com uma visão de futuro, fica claro que as irmãs levaram uma vida de privilégios e que souberam se aproveitar bem, cada uma à sua maneira, as cartas que receberam ao nascer. Uma leitura duplamente proveitosa: a gente mergulha de cabeça na biografia épica dessas irmãs, enquanto se aprofunda nos detalhes fascinantes da história da China do século XX.

Compre esse livro!

Mini-resenhas dos livros: O Impulso e Minha Luta 6 - O Fim | Não Me Mande Flores

3. O Impulso, por Ashley Audrain – tradução de Lígia Azevedo
328 páginas • título original: The PushParalela

Após o nascimento da sua primeira filha, Blythe Connor vê sua vida desmoronar: a exaustão de cuidar de um recém-nascido, a privação do sono e, especialmente, a obrigação de ser a mãe e a esposa perfeitas nesse momento de tanta fragilidade acabam minando a sua confiança e o seu casamento. Essa premissa, tão próxima da vida real de muitas novas mães, se torna ainda mais pesada quando ela passa a desconfiar que existe algo de obscuro na personalidade da filha. É a partir daí que o livro se torna um thriller de suspense: devemos ou não confiar no julgamento de Blythe, essa jovem mãe cujo histórico familiar é (para dizer o mínimo) triste e perturbador? Paralelamente, capítulos independentes narram as histórias traumáticas de maternidade da avó e da mãe de Blythe, como pequenos lembretes de que a história muitas vezes se repete. Como thriller, o livro funciona bem. Capítulos rápidos, de quatro (às vezes duas) páginas, fazem com que você se envolva de cabeça na leitura, tentando juntar as peças do quebra-cabeça. Eu senti falta de uma reflexão (e um questionamento) maior a respeito dos desdobramentos de uma infância dolorida, de experiências precoces de rejeição e abandono… mas acho que não era esse o tipo de livro pretendido pela autora. Sem dúvida vai ser adaptado para a TV ou cinema logo logo.

Compre esse livro!

4. Minha Luta 6 – O Fim, por por Karl Ove Knausgård – tradução de Guilherme da Silva Braga
1056 páginas • título original: Min Kamp 6 • Companhia das Letras

Três anos depois, finalmente pude ler o tão aguardado último volume da série Minha Luta ~ o livro anterior foi lançado em agosto de 2017. Pra quem não sabe do que se trata, tenho um post bem explicativo (e elogioso) sobre os três primeiros livros. Como esperado, o estilo do autor continua o mesmo: a sua maneira de contar a própria história, com os altos e (muitos) baixos, permanece cativante. Nesse último volume Karl Ove descreve, em detalhes, a reviravolta causada pela publicação do primeiro livro da série: o autor foi processado por familiares por calúnia ~ entre outras confusões ~ e a sua vida virou motivo de fofoca e intriga na imprensa escandinava. A digressão mais aguardada por quem vem acompanhando a série (e também a mais temida e a mais odiada por alguns) é o longo ensaio sobre Hitler, 400 páginas num livro de mais de 1000. Mas vale destacar que ele não se limita a escrever sobre a infância/juventude/ascensão do ditador, que em si já é interessante; Karl Ove também discorre sobre arte, literatura, linguagem, identidade… Eu, particularmente, gostei (embora ocasionalmente tenha achado BEM cansativo, especialmente as 51 páginas esmiuçando a poesia de Paul Celan). Também não posso deixar de mencionar o meu desconforto com as páginas finais, nas quais o autor descreve minuciosamente a doença mental da então esposa (a escritora Linda Boström Knausgård) ~ embora claramente essa superexposição tenha sido um dos fatores que contribuíram para o agravamento da sua condição. Um final audacioso, sem dúvida, para esse MEGA projeto autobiográfico.

Compre esse livro!

Qual foi o último (bom) livro que você leu?
Confira outros títulos na Bibliolove – a biblioteca virtual do blog!

|