Mãos de Cerâmica

Mãos de Cerâmica da Kaye Blegvad

Completamente encantada pelas mãozinhas de cerâmica da Kaye Blegvad (a mente brilhante também por trás da Datter Industries).

∴ info ∴
Kaye Blegvad website & tumblr.
Kaye Blegvad Ceramics tumblr

|

Internet Love: sabonete feito em casa

Internet Love: sabonetes feitos em casa | 6 links DIY para quem quer aprender a fazer sabonetes artesanais

Vocês já se aventuraram a fazer sabonete em casa? Parece que o processo artesanal não é nada complicado e o resultado é sempre lindo e cheiroso. Será que, se a gente começar a fazer desde agora, dá tempo de presentear todo mundo no final do ano com mimos DIY personalizados e especiais? #ficaadica #porumNatalmaisartesanal

| Fall for DIY |
| A Pumpkin and a Princess |
| HelloGlow |
| Hapiness is Homemade |
| Public Lives, Secret Recipes |
| Fall for DIY |

|

Yenzah Power Ampolas

Ilya Kuvshinov | Ilustração

As ampolas de tratamento capilar costumam ser uma ótima maneira de testar uma marca (ou linha) nova. Elas normalmente não pesam muito no bolso e são ótimos indicativos de como aquele produto vai atuar nos seus fios. Outra vantagem é o resultado imediato dessas belezinhas. Efeito de salão sem sair de casa, quem não ama?

Recebi da Ilha da Beleza, loja parceira aqui do blog, três Power Ampolas da Yenzah para experimentar. Dei um intervalo de uma semana entre uma ampola e outra, para perceber bem o efeito de cada uma nos fios. O modo de usar de todas elas é o mesmo: aplicar depois do shampoo, massageando para espalhar o produto e deixando agir por 3 minutos, antes de aplicar o condicionador.

 

Yenzah Power Ampola - Queratina

Yenzah Power Ampola Queratina (15 ml)

Essa linha foi criada especialmente para cabelos fragilizados e danificados. A Queratina repõe a proteína da fibra capilar, recompondo a massa dos fios. A proposta do produto é devolver a resistência e a elasticidade, enquanto retém os pigmentos do cabelo. Dizem que se você sentir o seu cabelo rígido depois de usar queratina, é porque os seus fios estavam realmente necessitando dela. Não senti rigidez, mas o meu cabelo ficou com um volume bem interessante (e controlado). Também percebi que os fios ficaram com um aspecto super saudável. 

Yenzah Power Ampola - Pós-Química

Yenzah Power Ampola Pós-Química (15 ml)

Se o seu cabelo está sofrendo após algum procedimento químico, essa ampolinha é para você. Sua fórmula contém Castanha do Brasil, Proteína do Trigo + D-Pantenol e o seu objetivo é reconstruir a estrutura capilar de dentro para fora, fortalecendo a sua fibra interna. Um tratamento de dentro para fora mesmo. A sensação depois de usar a ampola foi de cabelo super hidratado e regenerado (o produto também promove o fechamento das cutículas).

Yenzah Power Ampola - Whey Fit Cream

Yenzah Power Ampola Whey Fit Cream (15 ml)

Essa ampola é uma espécie de recarga de proteína, um tratamento que trata a fibra integralmente e é ideal para cabelos danificados, secos ou frágeis (se os seus fios forem bem fininhos ele vai funcionar também). De todas as ampolas, essa foi a que deixou o meu cabelo mais macio e brilhante.

Yenzah Power Ampolas | Queratina, Pós-Química e Whey Fit Cream

No geral, a minha experiência com as três ampolas foi bem positiva. Uma outra vantagem delas é que basta uma, de 15 em 15 dias (ou mais espaçado, se o seu cabelo não estiver com nenhum problema grave), para dar uma melhorada visível nos fios e ficar com a auto-estima lá em cima. 

Vocês usam essas ampolinhas mágicas?
Me contem nos comentários! ;)

∴ info ∴
A imagem linda do começo do post é do ilustrador russo Ilya Kuvshinov.

|

Biombo – Hermengarda

Biombo Hermengarda | Blusa Quadrado Trama Biombo Hermengarda | Vestido Laço Tela Biombo Hermengarda | Saia Laranja Bandeira Biombo Hermengarda | Vestido Jardí Cortiço Biombo Hermengarda | Body Torcido Vinho Biombo Hermengarda | Saia Midi Ponto Cruz

Hermengarda é herança, foi transmitida através do amor e recebida como um presente, uma joia, uma relíquia. Primeiro, admira com atenção. Em seguida, tateia com a curiosidade de uma criança, quer cheirar, quer ouvir, quer sentir. Daí então ela chega: a surpresa! E arrebata o coração”.

A Biombo já é “sócia” aqui do NMMF, venho falando sobre a marca (nacional e carioquíssima) desde a primeira coleção, em 2013. Dá gosto de ver que, a cada ano eles se superam e apresentam peças e estampas ainda mais bonitas e originais. Um prato cheio para quem está procurando comprar de-quem-faz e incentivar um mercado de moda mais justo e consciente. Sou fã!

A Biombo vai estar no Pop Up Store | Fashion Mall, aqui no Rio, até o dia 03 de julho, não deixem de conferir! 

Mais Biombo aqui no blog:

Jardí de Rajoles  •  Bau  •  Novo Quereres • Monumento • Cinco

∴ info ∴
Biombo website & fan page.

|

Os quatro últimos… livros

Mini-resenhas dos livros: Um guarda-chuva para o dia de hoje + De que ser ser culto? | Não Me Mande Flores

1. Um guarda-chuva para o dia de hoje, por Wilhelm Genazino – tradução de Marcelo Backes
título original: Ein regenschirm für diesen tagApicuri

O livro narra em primeira pessoa as impressões de um homem de meia-idade que trabalha como testador de sapatos de luxo em Frankfurt, na Alemanha. Seu trabalho é perambular pelas ruas da cidade e enviar relatórios detalhados a respeito de cada novo modelo lançado. Através das suas observações sobre a vida, conhecemos a rotina melancólica desse flâneur na cidade grande ~ e, ao longo do livro, vamos nos dando conta de que ele é, na verdade, uma grande metáfora do homem contemporâneo. Genazino é um autor alemão importantíssimo, ganhador de vários prêmios, incluindo o Büchner, recebido pelo conjunto de sua obra. Torcendo para a chegada de mais títulos dele por aqui.

∵ Americanas | Livraria CulturaSaraivaSubmarino ∵

2. De que serve ser culto?, por Normand Baillargeon – tradução de Rosa Freire d’Aguiar
título original: Liliane est au lycée: est-il indispensable d’être cultivé? • Apicuri

Um pequeno (mas robusto) ensaio sobre a importância da “cultura geral” em meio ao oceano de informações que é a nossa vida atualmente. Falta de cultura é defeito? Quem afinal define o que deve ser lido, compreendido e assimilado por toda a sociedade? Esses e outros questionamentos, com muito bom humor, ironia e ótimas fontes (Chomsky, Deleuze e Montaigne, entre outros). Achei ótimo pensar além dos clichês e questionar certas “regras” culturais que não fazem mesmo muito sentido. As frases sobre o tema que o autor destaca no fim do livro são sensacionais também!

∵ Americanas | Livraria CulturaSaraivaSubmarino ∵

Mini-resenhas dos livros: Roube meu coração + Cem verões | Não Me Mande Flores

3. Roube meu coração, por Susan Mallery – tradução de Thalita Uba
título original: Thrill me • HarperCollins

Preciso começar dizendo que eu, definitivamente, não sou a pessoa ideal para avaliar um chick-lit (aliás, eu detesto essa classificação). Dito isso, vamos lá: Maya é uma jornalista que, por circunstâncias da vida, precisa voltar para a sua cidade natal após um afastamento de 10 anos. Lá, reencontra (e passa a trabalhar com) um antigo amor, de quem tinha fugido no passado, por medo de se comprometer. A gente já sabe o que vai acontecer? Claro. Mas o que me deixou mais perplexa é a falta de profundidade: todos os personagens secundários parecem existir apenas como “escada” para o desenrolar da trama. Não existem camadas na história e o conflito é praticamente inexistente. O motivo para os dois personagens estarem separados é tão fraco que não justifica as quase 300 páginas do livro. Não rolou pra mim. 

 ∵ Americanas | Livraria CulturaSaraivaSubmarino ∵

4. Cem verões, por Beatriz Williams – tradução de Léa Viveiros de Castro
título original: A hundred summers: a novel • Fábrica231

Lily e Budgie, melhores amigas desde a infância, são duas jovens estudantes em 1931, com futuros (e amores) promissores pela frente. Mas algo terrível acontece, interrompendo bruscamente a amizade das duas. Sete anos depois, elas se reencontram numa temporada de verão, trazendo à tona toda a mágoa que estava adormecida. Me surpreendi positivamente com essa história que tem os anos 30 como pano de fundo. Além das questões centrais do livro ~ traição, tradições familiares, romance ~ a autora soube expor muito bem um panorama da alta sociedade da época (em especial, a situação das mulheres da elite norte-americana pré-Segunda Guerra). A narrativa vai alternando entre os fatos ocorridos em 1931 e 1938, deixando sempre um gostinho de quero-mais para o capítulo seguinte. 

∵ Americanas | Livraria CulturaSaraivaSubmarino ∵

E vocês, o que andam lendo?
Confira outros títulos na Bibliolove – a biblioteca virtual do blog!

|